Mais

    Calculadora de custo de funcionário

    Resultado

    ReferênciaValor
    SalárioR$ {{ result.grossSalary }}
    Vale transporteR$ {{ result.transportVoucher }}
    Desconto vale transporteR$ {{ result.transportVoucherDiscount }}
    Vale RefeiçãoR$ {{ result.mealTicket }}
    Plano de saúdeR$ {{ result.healthPlan }}
    Outros benefíciosR$ {{ result.otherBenefits }}
    13º SalárioR$ {{ result.salary13o }}
    FériasR$ {{ result.vacation }}
    1/3 FériasR$ {{ result.vacationDiv3 }}
    FGTSR$ {{ result.fgts }}
    FGTS 13º e FeriasR$ {{ result.fgts13oVacation }}
    CUSTO FUNCIONÁRIOR$ {{ getCurrency(result.employeeCost) }}

    Você está pretendendo contratar um novo funcionário para a sua empresa, mas não sabe qual será o custo dele? É preciso parar, sentar e fazer os cálculos para saber se o seu negócio consegue arcar com os custos de um funcionário.

    Ao contratar um novo colaborador para a sua empresa, você não arca somente com o salário dele, mas com diversas outras taxas como INSS, FGTS, férias, 13º salário, vale-transporte.

    Isso sem contar com outros benefícios que você pode incluir, como plano de saúde e odontológico, seguro de vida, vale-alimentação, vale-refeição.

    Mas vale lembrar que esses custos são quando o funcionário é contratado por meio de carteira assinada, como pessoa jurídica os custos são diferentes. Sim, os valores vão variar de acordo com o tipo de contratação.

    Por isso, fizemos esta calculadora, para te ajudar a saber exatamente quanto você vai precisar arcar por mês com cada funcionário seu.

    Quais são os principais custos de um funcionário para empresa?

    Quando falamos dos custos de um funcionário para empresa, muitas pessoas pensam somente no salário, mas as despesas vão muito além disso.

    Existem diversos encargos e tributos que estão previstos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que as empresas são obrigadas a pagar.

    E quais são esses encargos e tributos a serem pagos além do salário?

    Confira a lista abaixo!

    Férias;
    13º Salário;
    Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS);
    Rescisões, demissões e licenças.
    Adicional de férias;
    Vale-alimentação e vale-transporte;
    Plano de saúde;
    Possíveis gastos extras com recrutamento, seleção e capacitação;
    Gastos excepcionais como no caso de demissão e licenças.

    É claro que nem todos esses encargos citados acima são obrigatórios, como é o caso dos gastos com a seleção e contratação. Mas eles estão presentes na conta da empresa e precisam ser levados em consideração.

    Como saber se o custo e o resultado do funcionário são satisfatórios?

    Uma dúvida que muitos empresários possuem é como saber se o que ele está pagando ao funcionário está trazendo benefícios para a empresa. Você precisa ter em mente que, apesar da necessidade de contratar novos colaboradores, isso acaba acarretando em custos.

    Por esse motivo, você como dono do negócio precisa saber exatamente qual é o ponto de equilíbrio do seu negócio, conhecido também como break even point.

    Mas o que é esse equilíbrio? É justamente quando a sua empresa paga todos os custos fixos e ainda sobra lucro. É nesse momento que, de fato, o seu negócio começa a crescer com grandes chances de prosperar.

    E, por isso, é fundamental que você avalie se o custo do seu funcionário está gerando lucros ou prejuízos para a sua empresa. Se está entrando mais dinheiro por conta do trabalho do colaborador, sinal de que ele está fazendo o que é preciso para a sua empresa crescer.

    Agora se o contrário está acontecendo, é preciso rever alguns valores e talvez até o salário do seu funcionário. Lembre-se que se o seu caixa começa a ter problemas isso é sinal de que você pode não conseguir arcar com os gastos e custos do seu colaborador.

    + Quanto custa demitir um funcionário? Veja como calcular

    Funcionário pode ter direito a benefícios e treinamentos

    Uma empresa também precisa estar preparada para arcar com diversos benefícios e garantias de melhores situações de trabalho para os funcionários. A maioria deles são garantidos em lei, inclusive, alguns podem ser terceirizados a outros órgãos.

    Vale destacar que essas vantagens podem depender de acordo com o regime tributário utilizado. Além disso, alguns benefícios, não podem ser englobados no salário e devem ser pagos separadamente, como é o caso do auxílio-transporte.

    Os vales alimentação e refeição, no entanto, tem caráter opcional e a empresa pode escolher os tipos de estabelecimento ou empresas que serão contratadas para oferecer o serviço.

    Existem, ainda, os custos com treinamentos, cursos, capacitações, eventos e qualquer outra forma de melhoria ou qualificação profissional externa para o seu colaborador. A empresa pode se comprometer para ter um funcionário ainda mais completo.

    Quem tem carro recebe vale-transporte?

    Muita gente tem dúvida sobre o que acontece com quem não pega ônibus. Esse funcionário também recebe o auxílio-transporte como todos. Afinal, é um direito dos trabalhadores em geral.

    Entretanto, este colaborador pode optar pela troca do vale-transporte, por exemplo, por um auxílio-combustível. Existe, ainda, casos em que o funcionário não tem um esquema definido, abre mão, e apresenta mensalmente qual foi o seu gasto com locomoção.

    + Como funciona o desconto do vale-transporte? Saiba como fazer o cálculo

    No entanto, essas trocas referentes ao auxílio-transporte precisam ser previamente acordadas entre empresa e funcionário.

    Cálculo de custo de um funcionário conforme o regime tributário

    Saber qual é o valor exato de um funcionário é complicado, afinal, são vários fatores que devem ser analisados e somados para chegar ao resultado final. Mas, para ajudar, é possível ter uma noção de custo conforme o regime tributário.

    Afinal, definindo o regime, você já fica ciente do quanto vai precisar pagar de imposto, taxas e contribuições. Os dois principais regime são:

    Simples Nacional
    8% de FGTS e do valor anual do FGTS;
    Férias;
    1/3 sobre férias;
    13º salário;
    Provisão mensal sendo ela: (Férias + 1/3 sobre férias + 13º+8% de FGTS anual) / 12
    8% de INSS;
    6% do salário para vale-transporte.

    Para chegar ao cálculo final, some todos os tópicos acima com os benefícios adicionais oferecidos pela empresa.

    Lucro Real ou presumido
    20% do INSS na contribuição patronal;
    De 1% a 3% de seguro de acidente de trabalho – SAT;
    2,5% de salário educação;
    20% proporcional ao descanso semanal remunerado;
    8,33% proporcional ao 13º salário;
    3,3% destinado ao Sistema S: SEBRAE, SENAI ou SESI;
    11,11% proporcional às férias, levando em consideração o salário somado de 1/3 do abono.

    Com a calculadora do FinanceOne, todo esse cálculo é simplificado. Use sem moderação e compartilhe com os amigos!

    O que achou disso?

    Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

    Seja o primeiro a avaliar este post.

    Lamentamos que este assunto não tenha sido útil para você!

    Diga-nos, como podemos melhorar?